ÁFRICA/NIGÉRIA – Boko Haram ataca mais uma vez, mas não controla mais territórios inteiros

Abuja (Agência Fides) – “Boko Haram ainda é capaz de atacar e, infelizmente, fazer muitas vítimas, mas diferentemente de poucos meses atrás, não controla mais cidades e vilarejos”, afirma à Agência Fides pe. Patrick Tor Alumuku, Diretor das comunicações sociais da Arquidiocese de Abuja.
A seita islamista atacou o norte da Nigéria, onde 43 pessoas foram mortas na semana passada em quatro vilarejos, em Camarões (11 mortos num atentado em 12 de julho) e no Chade (15 vítimas numa explosão na capital N’djamena em 14 de julho). Esses países, com a Nigéria, formaram uma coalizão militar que permitiu reconquistar os territórios controlados por Boko Haram.
“O Presidente Muhammadu Buhari disse claramente poucos dias atrás na televisão que Boko Haram está submetido à forte pressão militar e está reagindo para demonstrar ser capaz de atacar”, afirma Pe. Alumuku.
A política lançada por Buhari, que recentemente substituiu todos os responsáveis militares e da inteligência, é em todo caso compartilhada por grande parte da população. “Segundo uma pesquisa publicada ontem, 70% dos nigerianos compartilham a política do novo Presidente em enfrentar a ameaça de Boko Haram”, afirma o sacerdote.
“Boko Haram não é mais como antigamente, não é mais capaz de ocupar territórios inteiros. Os seus homens estão espalhados na floresta no norte da Nigéria ou se transferiram nos estados limítrofes, como demonstrado pelos recentes ataques em Camarões, Chade e Níger” continua pe. Alumuku.
Comentando, por fim, a notícia divulgada por um jornal nigeriano, segundo a qual um especialista inglês teria afirmado que nas fileiras de Boko Haram estariam presentes vários cristãos, recrutados como mercenários, o sacerdote conclui: “É a primeira vez que ouço uma notícia do gênero. Parece-me absurdo, mesmo que neste mundo tudo é possível. Mas, repito, me parece um fato completamente absurdo”.

11752398_407429489464568_417832358368493024_n

Bookmark the permalink.

Deixar uma resposta